Nozes a quem…

Nozes a quem não tem dentes

Espetáculo palco, estreia premier 6 e 7 Novembro no Teatro Municipal do Porto. Campo Alegre

Cavem, cavem bem fundo. Perguntem a vocês mesmos o que querem ser, esgravatem a terra e descubram o que vos faz feliz. Vocês já têm tudo não precisam de nada, apenas ajuda! E eu estou aqui!

Encontramo-nos num universo ficcional onde três figuras do mundo real vivem um momento de fantasia. Estranhos numa terra estranha, acabados de chegar ou prontos para partir. Um campo de sacos cheios de memórias onde a vida se refugia ou fica presa. Uma viagem onde tudo começa e acaba, instigados pela motivação, manipulação, a sensação de liberdade, a cegueira, a vertigem e o abismo da solidão.

O que está do outro lado do espelho?

vídeo por Ashleigh Georgiou – Traces Studios

Dig, dig deep. Ask yourselves what you want to be, scratch the ground and find what makes you happy. You already have everything, you don’t need anything, just help!

 From the world’s three characters intersect they interior space. Stress, fear, loneliness a path to dehumanization. The conflict, status, handling, madness inspired by the motivation. 

Starting from the idea of ​​opportunity a reflection about free will. The power, the access and choice in a symbolic and ironic perspective of current events that disturb us. 

Baseado na sabedoria popular, um pensamento sobre esta ideia de que há oportunidades que não sabemos ou não podemos aproveitar. O poder que temos sobre o nosso destino, se as escolhas dependem exclusivamente de nós e se verdadeiramente fazemos escolhas. “Nozes a que não tem dentes” procura indagar se o acesso às coisas e o poder decisório poderão ser condicionados pelo estatuto social, pela religião, o género, os conflitos. Partindo de uma perspetiva simbólica e irónica dos acontecimentos mundiais que nos inquietam, procura-se uma reflexão sobre o livre arbítrio.

O que nos motiva, o que nos move?

Um universo intimista, poético e provocador onde o circo surge como expressão do risco e do desafio na comunicação do corpo e do seu movimento. Malabarismo, manipulação de objetos, acrobacia aérea são algumas das disciplinas que compõem este espetáculo de circo contemporâneo tragicómico.

Estaremos todos nós no sitio certo à hora certa?

direção artística artistic direction VASCO GOMES | cocriação e interpretação co-creation and interpretation GILBERTO OLIVEIRA, JORGE LIX e LILIANA GARCIA | desenho de luz light ROMEU GUIMARÃES | conceção plástica e produção set and production JULIETA GUIMARÃES| figurinos customs Inês Mariana Moitas| música music João Quintela

coprodução coprodution Teatro Municipal do Porto, Centro Cultural Vila Flor

apoios support IPP, Fábrica da Rua da Alegria, Niepoort, Circos, Mafia, MamaProduction